O mais caro de sempre valeu 32.1 milhões!...

O mais caro de sempre valeu 32.1 milhões!...

O automóvel mais caro do Mundo custou 32,1 milhões de euros. É um Ferrari. Foi construído em 1957 com a designação 335 Sport Scaglietti sob o chassis número 0674. E correu as 24 horas Le Mans, estabelecendo, então, o recorde ao conseguir uma velocidade média acima dos 200 quilómetros por hora, precisamente 203,015 km/h.


Foi o coleccionador Pierre Bardinon que colocou em leilão uma das suas maiores preciosidades: o Ferrari 335 Sport Scaglietti. O carro de corrida foi licitado pela exorbitante verba de 32,1 milhões de euros (o equivalente a 35,7 milhões de dólares), dando-lhe a condição do automóvel mais valioso do planeta.
Aliás, a leiloeira – a Artcurial Motorcars, a mais especializada em leilões automóveis – adivinhava um desfecho surpreendente e preparou um cenário único para apresentar o veículo na sessão. O comprador, que mantém o anonimato, precisou de apenas dez minutos para adquirir o veículo cuja base de licitação foi de 20 milhões de euros, valor que cresceu para 26 milhões em menos de um minuto após o início da sessão.
A Ferrari produziu apenas quatro unidades do modelo. Tratou-se de uma evolução da versão 315 S e foi equipado com um motor de 12 cilindros em V, de 4 litros (4.023,32 centímetros cúbicos) e uma potência máxima de 390 cavalos (290 kW) às 7.400 rpm. Conseguia atingir uma velocidade de 300 quilómetros por hora.
A Ferrari concebeu o modelo para responder ao Maserati 450 S, com um motor V8 de 4,5 litros e que debitava 400 cavalos. Então, a marca anunciava ter produzido 11 exemplares e que o veículo conseguia ultrapassar a fasquia dos 300 Km/h.
O modelo que faz parte da história de Le Mans
O valor deste Ferrari encontra-se intimamente ligado ao seu historial considerado ímpar na industria automóvel. Para além de ter estabelecido, pela primeira vez, a velocidade média superior aos 200 quilómetros por hora (203,015 km/h) nas 24 Horas de Le Mans, foi protagonista de outros três resultados de vulto:
Em 1957, um 2º lugar na emblemática corrida italiana Mile Miglia, que ligava Brescia a Roma (ida e volta) num percurso com o formato de um 8, numa distância de mil milhas terrestres, o equivalente a 1600 quilómetros;
Um 6º lugar nas 12 horas de Sebring, também em 1957;
E no ano seguinte, conduzido pelo então famoso piloto britânico Stirling Moss quatro vezes vice-campeão na Formula 1, protagonizou um triunfo no Grande Prémio de Cuba.
Após este histórico, este exemplar do 335 Sport Scaglietti acabaria por ser comprado por um arquitecto norte-americano que vivia na Pensilvânia. Dez anos mais tarde, integrou a colecção de Pierre Bardinon que se calcula incluir mais de cinquenta carros de corrida da marca Ferrari.

Mais seis carros por 3,7 milhões
Na sessão – ocorrida a 5 de Fevereiro último - foram leiloados mais seis automóveis que bateram recordes mundiais de preço, relativamente aos modelos, totalizando 3.739.300 euros. Destaque para um Citroen 2CV Sahara de 1961 que foi arrebatado por 172.400 euros; para um Alfa Romeo Giulia Sprint GTA, de 1965, licitado por 441 mil euros; para um Aston Martin DB4, da série 5, convertível, produzido em 1963 que foi entregue por 1.473.200 euros, sendo o segundo carro mais valioso da sessão.
A leiloeira já apresentou a estrela para o “Le Mans Classic 2016”, porventura o seu maior evento anual: trata-se de um Ferrari 250 GT SWB Berlinetta, de 1961, modelo que mereceu o maior destaque do Salão de Paris (paris Motor Show) desse ano. O veículo encontra-se em poder do seu último proprietário – o quinto -, há 47 anos.
A Artcurial Motorcars já tinha sido notícia em Fevereiro de 2015, ao licitar um Ferrari 250 GT SWB California Spider, modelo de 1961, por 16,288 milhões de euros. Aliás, nesse leilão foram batidos outros dois recordes por tipologia de modelo: Maserati A6G 2000 Gran Sport Berlinetta Frua, de 1956, por 2.010.880 de euros, e um histórico tão esquecido Bizzarrini 5.300 GT Strada, construído em 1968, por 1,244 mil euros.

Read 862 times
Rate this item
(0 votes)
Login to post comments

 

revista generalista

Torres Vedras

região Oeste e norte de Lisboa