"Amália Canta Portugal"... O Cancioneiro Popular de Amália

"Amália Canta Portugal"... O Cancioneiro Popular de Amália

Quem conhece os estudos do folclore português anteriores a estes discos de Amália, facilmente pode julgar o cancioneiro popular aqui reunido uma espécie de "contrafação folclórica" – expressão usada por Fernando Lopes Graça, n'A Canção Popular Portuguesa, de 1953, quando critica os "fornecedores do repertório musical ligeiro [que] inundam o mercado com os seus 'arranjos folclóricos'" e a forma como "as vedetas da rádio brilham no 'estilo folclórico'".

Mas na voz de Amália o folclore nunca é uma falsificação.

"Se fosse de um rancho folclórico cantava exatamente como canto e ninguém me mandava cantar de outra maneira (...) Canto como uma pessoa que anda a cantar no campo, ou na rua. É mesmo cantar cantando". E Amália também se diferencia: "As autênticas cantoras de folclore têm aquelas vozes lá em cima. As cançonetistas não têm nada a ver. É um cantar cantado. " (Vítor Pavão dos Santos, Amália Uma Biografia, 1987).

Se o "cantar cantando" de Amália conserva a emissão natural e o despretensiosismo do canto popular, o seu gosto leva-a por vezes a modificar, e até criar, repertório, misturando quadras de diferentes regiões e ousando novos andamentos em melodias tradicionalmente cantadas doutra forma – nada que os "verdadeiros" intérpretes do folclore não façam.

Amália, segura das suas raízes e da sua autenticidade num género que nunca viu a uma distância científica, criou um cancioneiro seu, que sem precisar de selos de legitimidade levou ao grande público, tal como tinha feito com o Fado.

Se Amália não os tivesse cantado, ter-se-iam tornado o "Malhão de Águeda" ou a "Tirana de Paços" tão universais, e ao mesmo tempo tão identificáveis com Portugal?

Algum deste folclore foi também um surpreendente impulsionador de alegria nos seus recitais – a genial concepção de espectáculo que Amália sempre teve inventou alinhamentos perfeitos de dramatismo e euforia. E, se no início foi sobretudo a canção espanhola a fazer esse contraste, a partir dos anos setenta seria o folclore português a conseguir a comunhão rítmica com o público, que tão bem preparava ou desanuviava toda a tragédia que atingia no Fado.

O folclore também foi, cronologicamente, o último género conquistado por Amália. Depois do fado tradicional e das marchas de Lisboa; depois das canções e dos fados musicados, trazidos do teatro; depois do flamenco, cantigas brasileiras, rancheras e dos outros "cancioneiros" estrangeiros que foi experimentando; e depois do "fado erudito" de Alain Oulman, Amália graças ao folclore, encarnou de forma ainda mais sedutora a alma musical portuguesa.

"A minha família vem da região da Beira-Baixa, onde os camponeses, ao trabalhar a terra, entoavam cantos populares transmitidos de pai para filho, e descendentes directos da escola gregoriana. Transmissão pelo sangue com influência da melhor modulação. Acredito que aprendi a cantar antes de falar." (entrevista Oggi 5.9.1972). Frederico Santiago

O disco já se encontra disponível, numa edição Valentim Carvalho.

Login to post comments

O Estado do Tempo em Torres Vedras

News Letter

Subscreva a nossa  News Letter para receber as noticias que publicamos "na hora"...

Estão Online:

Estamos 667 Visitantes e 25 Membros Online

 

revista generalista

Torres Vedras

região Oeste e norte de Lisboa